Plano de Recuperação Judicial da OAS aprovado

Plano de Recuperação Judicial da OAS aprovado

 
São Paulo, 18 de dezembro de 2015 – Após um longo e complexo processo de negociação de uma das maiores reestruturações de dívida do país, os credores do Grupo OAS, reunidos em assembleia na noite de quinta-feira e que avançou na madrugada desta sexta-feira, aprovaram definitivamente o Plano de Recuperação Judicial proposto pela empresa.
 
A decisão garante a continuidade das operações da Construtora OAS e das demais empresas do grupo, a manutenção de cerca de 100 mil empregos (diretos e indiretos) e o pagamento de credores e fornecedores.
A aprovação do plano foi feita por ampla maioria dos credores que garantiram o quórum na assembleia.
 
Os credores aprovaram a reestruturação da dívida, que deverá ser paga entre seis e 25 anos, de acordo com cada categoria de credor. 
 
Durante a assembleia foi informado também que a canadense Brookfield (empresa de gestão de ativos de infraestrutura) manteve proposta de aquisição da parte da OAS na Invepar (24,4%) por R$ 1,35 bilhão.
O pagamento aos credores contará com esses recursos mais o caixa gerado pela OAS e a venda de outros ativos, como a OAS Óleo & Gás e OAS Soluções Ambientais. Os fornecedores receberão seus créditos em seis anos.
 
Outro destaque do plano é a decisão de que a venda dos ativos também reforçará o caixa da área de engenharia e construção da OAS em até R$ 475 milhões, destinados à manutenção das atividades.
 
O Grupo OAS apresentou em 31 de março pedido de Recuperação Judicial de nove de suas empresas à 1ª Vara de Falências e Recuperações Judiciais do Tribunal de Justiça do Estado de São Paulo, solicitação que foi acatada pela Justiça no dia seguinte (1º de abril). A iniciativa foi o melhor caminho encontrado pelo Grupo OAS para vender seus ativos e avançar para a renegociação de suas dívidas com credores e fornecedores diante da intensa restrição de crédito verificada desde o fim do ano passado para o setor de infraestrutura.
 
OASNetOAS InvestimentosWebmailFale com a OASMapa do site
Ir para versão clássica Ir para versão mobile